Linhas de Pesquisa

1 . Cultura, Política e Identidades

Esta linha de pesquisa abrange estudos que tenham como foco a investigação sobre:

1) O  lugar político da cultura, discutindo os desdobramentos teóricos e políticos recentes do conceito de cultura, a partir da relação central entre identidades e diferenças; o alcance e os limites do multiculturalismo enquanto política centrada na diversidade e seus embates, tanto com a universalidade dos direitos de cidadania, quanto com a soberania territorial e a construção do Estado-Nação;

2) os processos subjetivos e coletivos que caracterizam o reconhecimento identitário de diferentes grupos levando-se em conta aspectos como a diversidade, a memória e a afirmação de processos histórico-culturais. A linha abriga ainda o estudo das motivações políticas, sociais e teóricas que fizeram com que as questões referentes às identidades culturais se tornassem centrais no cenário político e epistemológico contemporâneo e os desdobramentos, em termos objetivos e subjetivos, da assunção deste paradigma. Esse processo mais amplo convoca a produção científica ao estudo dos movimentos que politizam as identidades, à análise das relações de poder, da sustentabilidade, da identidade, da memória coletiva e das políticas de direitos humanos.

Nesse sentido, compõem a presente perspectiva analítica e integram as agendas das pesquisas:

1) os avanços do direito internacional e as demandas dos movimentos de identidade por reconhecimento da plurinacionalidade e multiculturalidade dos países;

2) a análise das relações entre Estado e sociedade civil;

3) as políticas públicas e a introdução de políticas diferenciadas para a administração da heterogeneidade social;

4) os movimentos sociais, a elaboração e manutenção da memória coletiva como forma de afirmação identitária; as ONGs e outras formas de organização da sociedade civil.

Portanto, no âmbito desta linha de pesquisa são contemplados projetos relativos aos temas:

1- raça e etnia; 2- gênero e sexualidades; 3- migrações e territorialidades; 4- estudos dos fundamentos do multiculturalismo e das políticas multiculturais; 5- cidadania, direitos de grupo e direitos universais; 6- identidades nacionais; 7- políticas e cultura política; 8 – teorias de reconhecimento e 9 – identidade, narrativa e memória.

2. Crítica da Cultura

Pode-se afirmar que a crítica da cultura, campo fértil de pesquisas na contemporaneidade e na área dos estudos culturais, nasce da superação de pressupostos canônicos da arte e da cultura no Ocidente, centrados em valores universais e proeminentes pelo menos até os anos de 1950. Tal superação se revela nos rumos que tomam os estudos da literatura e da indústria cultural, os quais compõem os dois eixos desta linha de pesquisa, e os quais passamos a descrever a seguir.

A partir dos anos de 1970, devido, sobretudo, ao enfraquecimento da idéia de nação, à voga dos estudos pós-coloniais e consequentemente à