Ambiente Ativo

No ano de 2007, um grupo de pesquisadores da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH–USP) realizou um inquérito de base domiciliar com uma amostra representativa de pessoas adultas e idosas que viviam em Ermelino Matarazzo. O objetivo da pesquisa foi verificar a prevalência de prática de atividade física no tempo de lazer e como forma de deslocamento e os possíveis fatores ambientais associados com estas práticas.

Os resultados mais importantes mostraram que por volta de 70% da população adulta não praticava nenhum tipo de atividade física no tempo de lazer, 35% dos adultos e idosos caminham pelo menos 150 minutos por semana como forma de deslocamento e 50% das pessoas adultas que viviam em Ermelino Matarazzo não atingiam as recomendações mínimas de prática de atividade física de acordo com a Organização Mundial da Saúde. O principal fator ambiental associado com a prática de atividade física no tempo de lazer foi a presença de estruturas nos bairros, como praças, academias, clubes, unidades básicas de saúde (UBS), campos de futebol e quadras. Além disso, uma boa percepção de segurança nas proximidades das regiões de moradia, baixos níveis de poluição, bem como receber convite de amigos, também foram associados com a prática de atividade física. Alguns trabalhos publicados podem ser acessados no site do nosso grupo de pesquisas, na seção de publicações (http://www.each.usp.br/gepaf/artigos.php).

Com base nesses resultados, concluímos que os adultos e idosos de Ermelino Matarazzo praticavam pouca atividade física no tempo de lazer e que algumas variáveis do ambiente construído e o apoio social eram variáveis importantes para a prática de atividade física naquela região. Pensando nisso, em 2009 surgiu a ideia de se testar diferentes intervenções de promoção da atividade física, inicialmente no Sistema Único de Saúde pela Estratégia de Saúde da Família. Foi realizada uma parceria com a Supervisão Técnica de Saúde de Ermelino Matarazzo e em 2010 essa parceria foi estendida para a Supervisão de Esportes da região.

“Ambiente Ativo” foi o nome escolhido para as intervenções, em que o principal objetivo foi verificar diferentes caminhos para a promoção da atividade física em usuários atendidos pelo Sistema Único de Saúde, em parceria com as UBS que atendiam pela Estratégia de Saúde da Família e com os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF), utilizando espaços disponíveis no ambiente do Distrito de Ermelino Matarazzo como clubes, praças e as próprias UBS, aproveitando as ações de reforma que foram realizadas a partir de 2007 pela Subprefeitura, bem como as ações de promoção da prática de esportes e exercícios físicos para todas as faixas etárias que tiveram início com a implementação de Organizações Sociais no Esporte. Toda a descrição das intervenções, estratégias e notícias estão disponíveis para todos nas seções “Materiais das intervenções”, “Descrição dos estudos” e “Publicações” deste site.

A partir de 2015 o “Ambiente Ativo” será caracterizado como um conjunto de intervenções com origem em avaliações de pesquisas, mas que foram ampliadas para ações de extensão comunitárias que estão sendo realizadas em parcerias com membros do GEPAF (Grupo de Estudos e Pesquisas Epidemiológicas em Atividade Física e Saúde da USP), com Educadores e Especialistas da área de atividade física da EACH-USP, com outros docentes da USP e com outros setores da sociedade civil como ONGs.

Em abril de 2015 realizamos um encontro municipal na EACH–USP que teve como objetivo discutir intervenções de promoção da atividade física no Sistema Único de Saúde e que foi direcionado a pesquisadores e profissionais que atuam na atenção básica à saúde do município de São Paulo.

Esperamos poder contribuir para um ambiente mais saudável e mais ativo no município de São Paulo!

Agência Financiadora do Estudo – FAPESP – Processo número 2009/14119-4