ISA – ATIVIDADE FÍSICA E AMBIENTE

ISA: Atividade Física e Ambiente

Verificar se o ambiente construído está associado com mudanças nos níveis de atividade física no tempo de lazer, como forma de deslocamento e com o estado nutricional em adultos residentes no município de São Paulo. Métodos: Estudo de coorte tendo como linha de base o Inquérito de Saúde de São Paulo realizado entre 2014-2015. A amostragem foi feita por conglomerados e foram entrevistadas 3.406 pessoas com 18 anos ou mais de 150 setores censitários de cinco áreas administrativas de saúde (30 setores em cada área). A prática de atividade física foi avaliada por meio de questionários e o estado nutricional pelo índice de massa corporal com relato de peso e estatura. Os endereços de 3.145 adultos (92,5% do total) foram geocodificados e foram traçados raios no entorno das residências (500, 1.000 e 1.500 metros) com os dados de ambiente construído obtidos por meio de bases oficiais de órgãos públicos. A partir de 2020, serão realizadas novas coletas de dados por inquéritos telefônicos e domiciliares para a avaliação do nível de atividade física por questionários e por acelerômetros e um novo relato de peso e estatura. As variáveis de ambiente construído serão atualizadas e também será feita nova avaliação por meio de auditagem nos locais de residência e de trabalho. Serão realizadas análises custo-efetividade e modelagem baseada em agentes para verificar possibilidade de proposição de programas e políticas públicas para a promoção da atividade física e de manutenção do peso saudável. Análises de dados: Os desfechos primários serão atividade física no lazer e como forma de deslocamento. As variáveis de exposição serão os itens de ambiente construído dentro dos raios. Serão realizados modelos de regressão multinível utilizando clusters de domicílios e setores censitários. Este projeto teve início em 2019 e tem prazo de término em 2024, com financiamento de auxílio à pesquisa, categoria temático, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). O investigador responsável é o professor Alex Antonio Florindo, e o projeto envolve participações de pesquisadores da USP e de outras universidades brasileiras, de universidades internacionais e de alunos de pós-graduação e de graduação. Maiores detalhes sobre os pesquisadores e sobre o andamento da pesquisa podem ser obtidos em: