Mulheres na Computação

2

Por que são poucas as mulheres dentro dos cursos da área de computação? No curso de Sistemas de Informação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, por exemplo, as mulheres são menos de 15% entre os discentes que entraram no curso nos últimos três anos. Confira, nesta matéria, alguns dos … Ler maisMulheres na Computação

A computação na área de Bioinformática

Bioinformatica

No curso de Sistemas de Informação, não temos uma disciplina específica para estudar Bioinformática. Porém, para aqueles que gostam do tema e que tem a intenção de estudar essa área em algum outro momento (numa Iniciação Científica ou em algum curso extracurricular, por exemplo), é preciso estar ciente de que muitos dos conceitos básicos necessários … Ler maisA computação na área de Bioinformática

Iniciação Científica: só para quem quer ser pesquisador?

658976_69821588

Conheça melhor uma das oportunidades que a USP traz a você!

 

Beatriz Teodoro

Lucas da Silva Ferreira

Maruscia Baklizky

 

Visão geral da experiência acadêmica

Iniciar a vida acadêmica na Universidade de São Paulo (USP) é sempre um processo desconhecido para os recém-ingressos. Todos os que decidiram por fazer um curso de graduação na USP, e que efetivamente se matricularam em um, já passaram pela difícil tarefa de encarar um “novo” ambiente. Enfrentar com a mente aberta situações de dúvida e procurar ajuda é a melhor maneira de agir nesse caso.

Passadas as dificuldades dos primeiros meses da faculdade, o aluno habitua-se a esse novo universo e consegue interagir mais facilmente com ele, estabelecendo uma rotina para si. Isto é muito bom para que seja possível estabelecer uma organização pessoal, porém, quando ela o leva ao comodismo, pode se tornar um fator limitante ao desenvolvimento acadêmico de cada indivíduo. Justifica-se este pensamento afirmando que o comodismo impede que o aluno busque novos desafios e, consequentemente, deixe de aproveitar as oportunidades oferecidas pela USP.

Como uma tentativa de evitar este “mal”, apresentamos nesta matéria uma alternativa que pode promover crescimento acadêmico, gerar produções que não perecem – como o caso das produções intelectuais – e trazer uma experiência bastante positiva, a qual é importante tanto para quando for necessário realizar algum outro trabalho acadêmico, como o trabalho conclusão de curso (TCC), quanto para desenvolver a capacidade de proposição de soluções e análise de resultados, importante em qualquer tipo de trabalho intelectual: a Iniciação científica.

Ler maisIniciação Científica: só para quem quer ser pesquisador?

A Programação do Futuro

Logo-PET-150x150.png

Fernando Henrique Oliveira Abreu

João Paulo Domingues dos Santos


É do saber de todo curioso em Tecnologia da Informação que hoje em dia um desenvolvedor de software necessita das mais variadas habilidades em computação, dos paradigmas de programação em linguagens de alto nível às particularidades das instruções executadas em baixo nível. Contudo, pesquisas recentes em Computação Quântica, como as desenvolvidas no NIST – National Institute of Standards and Technology, mostram que estas competências desejáveis devem mudar substancialmente.

A computação clássica utiliza-se do sistema binário para realizar operações com sequências de informações lógicas conhecidas por bits, onde cada bit pode assumir o valor 0 ou 1. Informalmente, na Computação Quântica a unidade básica de armazenamento de dados são os qubits, que podem assumir estados lógicos como os bits, porém simultaneamente, ou seja, uma mesma unidade básica de armazenamento pode conter 0 e 1 ao mesmo tempo. Isto se deve ao fenômeno de sobreposição, oriundo da mecânica quântica, onde admite-se que uma partícula pode estar em dois lugares ao mesmo tempo (a quem interessar este assunto, recomendamos uma leitura sobre o paradoxo do Gato de Schrödinger). Sem pormenores, a capacidade de um qubit assumir mais estados do que o bit tradicional dos computadores clássicos amplia exponencialmente a capacidade dos processadores quânticos, como ilustra a Tabela 1.

Ler maisA Programação do Futuro

Internacionalização do Estudo

Logo-PET-150x150.png

A internacionalização do estudo valoriza o currículo e desenvolve competências como flexibilidade, capacidade de adaptação e habilidades interculturais. Liderança, competitividade e autoconfiança são algumas das qualidades que também podemos obter através dessa experiência.

Vitor Almeida Barros

Roberto Leite de Moraes Rodrigues


A qualificação e experiência adquiridas por meio de intercâmbios em culturas completamente diferentes da nossa são cada vez mais valorizadas por empresas do mundo inteiro. Fazer um intercâmbio rompe fronteiras, preconceitos, inseguranças, barreiras culturais e, além de tudo, pode ser divertido.

Existem vários tipos de intercâmbios sendo que cada um deles pode atuar em uma ou mais frentes e podem ocorrer durante o período de férias ou não. Alguns exemplos são os intercâmbios que oferecem: cursos de idiomas, cursos profissionalizantes, internacionalização do ensino médio, da graduação ou da pós-graduação (mobilidade estudantil) e estágios.

Ler maisInternacionalização do Estudo